Funcionalismo na visão das Ciências Sociais

03/12/2018

Considerações Gerais

Em 1930, o funcionalismo encontra-se no auge que veio crescendo desde 1914, neste mesmo ano Bronislaw Malinowski iniciou seus estudos considerado este, o criador da Antropologia Social.

O funcionalismo deu uma nova orientação ao estudo da antropologia, pois Malinowski e Radcliffe-Brown, estavam preocupados em estudar e explicar o funcionalismo da cultura num momento propício mesmo porque ao funcionalismo, não interessava explicar o passado pelo presente. Essaorientação bastante inovadora do funcionalismo não significou uma renúncia aos ditames do antigo evolucionismo inglês tão teimoso. Para Malinowski era pouco o interesse dele pelo passado, pois todo antropólogo e um antiquário e o mesmo sentia-se como tal.

Outro ponto marcante deste estudo é a visão sistemática utilizada na análise da cultura. Quer dizer que esta orientação explicou a maneira de ser de cada cultura buscando as razões não mais na natureza nem na cultura, mais sim na lógica. Os funcionalistas acreditavam que era possível conhecer uma cultura sem pesquisar sua história. Segundo Voltaire, imaginava a crença em Deus como funcionalmente indispensável para o homem, era tão importante que o mesmo disse: "Se Deus não existisse o homem deveria inventá-lo".

O funcionalismo emprega um método muito parecido ao método das ciências naturais. Para Comte, Spencer e Durkheim a sociedade e a cultura são vistas como um todo, sendo suas partes inteiramente interligadas, como por exemplo: existem órgãos indispensáveis no organismo e todos eles tem sua função.

Um terceiro ponto marcante foi o apoio de modo decisivo nas pesquisas de campo também verdade que Malinowski, foi quem mais desenvolveu este tipo de atenção dentro da antropologia européia, sendo ele que criou um procedimento acadêmico clássico na formação dos antropólogos.

Depois disso a antropologia se tornou comum, criou-se estágios que na época foi chamado de batismo, pois passou a ser exigido pela comunidade cientifica inglesa. Essa tradição foi quase secular, já para Lucy Mair, o trabalho dos sociólogos franceses influenciou os dois principais antropólogos ingleses do século XX, Malinowski e Radcliffe Brown, cujas teorias são ligadas no corpo do pensamento da antropologia.

Achava-se também que a personalidade desses dois mentores ajudou no sucesso dessa revolução acadêmica, pois ambos eram vaidosos e estavam longe de ser modestos e humildes. Em outras palavras os dois viam-se como profetas.

O Funcionalismo de Malinowski

Malinowski foi mais objetivo na sistematização de seu pensamento teórico do que Radcliffe Brown, pois ele deu seqüência ao pensamento antropológico inglês.

Malinowski era polonês, nasceu na Cracovia em 1884, teve uma educação esmerada. Sua vocação antropológica e consideravelmente explicada, através de seu pai que era uma espécie de folclorista e especialista em etnografia. Fez curso de ciências exatas e em seu doutorado teve a oportunidade de ler o livro de Frazer. Segundo ele a leitura desse livro o incentivou ao estudo da antropologia. Em Leipziq ele deu continuidade aos estudos de física e química e logo depois começou a estudar psicologia experimental, orientado por Wundt que já fora orientador de Durkheim e de Boas. Estudou também historia econômica com Bucher.

Kuper diz:

"A Volkerpsychologie diz respeito a cultura, a produtos mentais que são criados por uma comunidade de vida humana, portanto, são inexplicáveis no que se refere a consciência individual, uma vez que pressupõem a ação recíproca de todos. Essa concepção era relacionada com a idéia de consciência coletiva de Durkheim. Wundt era oposto ao desenvolvimento de um fenômeno cultural em isolamento, se tratando de linguagem, mito ou religião. A linguagem é influenciada pelo mito, a arte é fator no desenvolvimento do mito e seus usos e costumes são sustentados por concepções mitológica".

Mesmo sabendo que as linhas gerais do pensamento de Malinowski a respeito do funcionalismo já fora delineadas por sua transferência a London School of Economics, em 1910, acreditamos que seu pensamento apresenta certa continuidade no pensamento antropológico inglês. Considerando os andamentos e pressupostos da teoria Malinowskiana.

Pressupostos e Fundamentos da Teoria Malinowskiana

Entende-se que o evolucionismo definiu a cultura, como sendo produto da natureza humana, embora não negasse a autoria humana da cultura, era como se esta uma vez criada se voltasse contra o criador e passasse a exercer domínio em si e nas pessoas de seus descendentes.

A teoria da antropologia é constituída por um binômio natureza e cultura. para Malinowski a natureza humana exprime o determinismo biológico que é imposta a todas as civilizações e todos os indivíduos. Onde o conceito de cultura era apoiado no conceito de natureza humana. Onde a cultura pode assumir formas variadas, mas deverão sempre atender as necessidades básicas e biológicas. O fenômeno da cultura é constituído por idéias, ofícios humanos, crenças e costumes, onde o homem cria um ambiente secundário ou artificial. Este ambiente é a cultura propriamente dita.

A tradição cultural e transmitida de geração para geração, utilizando alguns meios métodos educacionais para que a ordem seja mantida. Para tanto tem que haver uma disponibilidade para sanções de costumes, éticas e leis, bem como as organizações econômicas que são indispensáveis mesmo nas culturas mais primitivas.

Malinowski dizia que a cultura é um mundo artificial, criado pelo homem e para o homem. Dizia ser pretensioso a antropologia estudar o homem como um todo, então resolveu delimitar o objeto de estudo, como sendo a cultura.

Malinowski encontra-se muito próximo de Durkheim, por considerar a antropologia o estudo das instituições, tais como: família, o clã, a comunidade local, a tribo, as equipes organizadas de cooperação econômica, política, legal e as atividades educacionais.

A cultura pode ser analisada em uma série de aspectos, tais como: educação, controle social, economia, sistema de conhecimento, crença e moralidade artística.

Estudos das Instituições

Malinowski optou para seu estudo as Instituições, sendo esta sua unidade básica concreta , pois ele precisava de um modelo que servisse como guia na sua pesquisa de campo, seus antecessores se perderam no seus estudos da cultura por falta dessa opção.

Portanto, a unidade funcional concreta a qual fez relação, podendo ser observada como um agrupamento social definido, essa mesma preocupação teve Durkeim ao definir o fato social como coisa. E este é uma prova que Malinowski foi influenciado pelo positivismo e sociologia.

Ele apresenta a Instituição de estatuto, pessoal, nomes, aparelhagem material, atividades e função. Para se verificar os vários tipos de instituição, basta descobrir se possui todos os elementos descritos acima.

Considerando esses elementos percebe-se o parentesco entre o estatuto e a norma. O estatuto seria um conjunto de normas extensivas a todos os grupos, o estatuto seria a ligação que une as instituições entre si. Ao passo que as normas seriam as normas particulares da instituição, uma espécie de operacionalização das regras gerais - estatuto-. Realizado pelo pessoal.

Se considerarmos a família - ela deve obedecer ao estatuto familiar (casamento institucionalizado) - estes vivem concretamente sob normas que possibilitam o cumprimento do estatuto e permitem o desempenho da função de fornecer cidadãos. Na pratica, estas pessoas vivem em atividades, lutando por conseguirem seu objetivo: a reprodução e sobrevivência de novos cidadãos.

Segundo o conceito de função Malinowski a define como a satisfação de necessidades quer básicas quer derivadas. O esquema teórico do funcionalismo é baseada no pressuposto de que a ação sócio-cultural é télica (delicada , educativa), voltada para fins , objetivos ou metas.

Princípios de Integração - Tipos de Instituição.

  1. Princípios: A família, a organização da corte, o grupo domestico, o clã, etc.
  2. Territorial: o grupo da vizinhança, o município, aldeias, cidades, metrópoles, o destino, a província, a tribo.
  3. Fisiológico: Grupos sexuais totêmicos primitivos, grupos de idade divisão de função por sexo etc.
  4. Associações voluntarias: sociedades secretas primitivas, clubes equipes recreativas, clubes de beneficiencia.
  5. Ocupacional ou profissional, sacerdotes, mágico, xonos etc.
  6. Posição (ronk) e status estatos, ordens de nobreza e etc.

O pesquisador classifica cada instituição como ligada a um ou a outro princípio de integração, por exemplo: a família é vista como resultado do princípio da integração. Contudo, nada impede que se veja nele o princípio totalizador ao princípio territorial.

O Funcionalismo estimulou o aperfeiçoamento da teoria antropológica e sociológica de outras ciências de comportamento. Esta escola serviu como estímulo ao desenvolvimento teórico.

Norton falou sobre o conceito de funções manifestos e latentes e da função ele quis chamar atenção pois percebem que o funcionalismo como conceito de função mostra tão só aspecto conservador ou a função de latência na expressão de Talcott Prosous.

Daí fala ele de disfunções ou seja perturbações no sistema. Levi Strauss representa a continuidade do funcionalismo que procura melhorar a análise antropológica. Lenton distingui a função dos conceitos de forma significada e uso o funcionalismo teve uma função heurística.

A critica de Malinowski de que o funcionalismo despreza a totalidade na sua análise não é justa. Esse desprezo desaparece em grande parte quando o autor passa a sua aplicação na pesquisa de campo.

Para ele uma cultura deve ser encarada como uma totalidade corrente e todos os aspectos que apresenta. Não podendo ser apresentado separadamente.

Apresentou exemplos como analisados um aspecto de uma cultura se chega a invocá-lo por inteiro.

Tem-se ai a noção de fato social o objetivo a ser atingido é o conhecimento da totalidade cultural, portando tudo era significativo. Malinowski fez não só esse como muito mais benefícios.

O Funcionalismo de Radcliffe-Brown

Entre o funcionalismo de Radcliffe-Brown e o de Malinowski existem muitos pontos semelhantes, já as maiorias das diferenças são apenas aparentes.

O funcionalismo de Radcliffe-Brown obedece a uma linha sociológica, já Malinowski, passa também por uma explicação psicológica. Porém os dois fazem afirmação da teoria do equilíbrio social, salientam o caráter totalizador e configuracionista da vida sócio-cultural. Sem duvida os conceitos básicos da teoria de Radcliffe-Brown são estrutura e função, ele explica o fato social pelos fatos sociais, seguindo os passos de Durkheim. Na sua explicação dos termos estrutura e função ele apela para analogia com o organismo vivo, mais salienta o perigo que isso representa para aqueles que venham a esquecer, por um momento sequer, que se trata tão somente de uma analogia.

O sistema de relações pelo qual essas unidades se relacionam é a estrutura orgânica. Tal como os termos são empregados aqui, o organismo não é em si a estrutura; é um acumulo de unidades (células e moléculas) dispostas numa estrutura, isto é, numa série de relações; o organismo tem uma estrutura. A estrutura, pois, deve ser definida como uma serie de relações entre entidades. Na medida em que se vive, o organismo mantém certa identidade de suas partes constituintes. O processo vital consiste das atividades e interações das unidades constituintes do organismo: as células e os órgãos nos quais as células estão unidas. O problema mais sério da abordagem funcionalista é precisamente, o de implicar, quase sempre, numa explicação teleológica, isto é numa explicação lógica e racional da ação como meio a objetivação de fins e metas.

O conceito de função tal como é aqui definido implica, pois, a noção de uma estrutura constituída de uma série de relações entre entidades unidades, sendo a continuidade da estrutura por um processo vital constituído das atividades integrantes.

Diríamos que a preocuparão pelo aspecto social deste autor levou-o a desprezar consideravelmente os aspectos de cultura material, fazendo mais antropologia social do que antropologia cultural. De certo modo, ele relegou o conceito de cultura em beneficio da sociedade.

Conclusão

Os estudiosos do funcionalismo, seguiam diferentes linhas de explicação sociológica para a compreensão das funções do homem dentro da sociedade: como eles funcionam, como funcionam suas consciências e porque eles funcionam. Radcliffe-Brow segue a linha de explicação sociológica e Malinowski firma-se numa explicação psicológica, teoria das necessidades.

Hoje,esse estudo do funcionalismo é analisado de forma mais crítica,mais participativa desprestigiando os conceitos dados a explicação do funcionalismo pelos cientistas de épocas passadas.

As ciências naturais eram ligadas, adequadas as ciências humanas, hoje, as ciências humanas caminham para a compreensão dos problemas sócio-culturais.

Com essa análise sobre o funcionalismo na época atua l,vivemos uma transformação social, época de especialização onde fundações,escolas,universidades,instituições fazem parte integrante dessa transformação,exigindo cientistas,estudiosos com habilidades técnicas e práticas e não apenas cientistas acadêmicos.Com esse progresso é surgido a cada tempo o avanço de uma tecnologia social.