Introdução à Criptografia

12/12/2018

Criptografia

A criptografia de dados é baseada em uma idéia simples e que existe há milhares de anos. Todos quando criança, costumavam brincar com mensagens codificadas, trocando uma letra por outra para transformar uma mensagem significativa em algo sem sentido. E é exatamente isso que os programas de criptografia fazem, embora de forma mais sofisticada. Na verdade, as técnicas modernas de criptografia são muito semelhantes à máquina Enigma dos militares alemães, uma máquina de escrever criptográfica que confundiu matemáticos ingleses, americanos e poloneses por cerca de 20 anos. A Enigma podia criptografar mensagens usando um esquema de tradução de caracteres diferente para cada letra na mensagem, tornando suas mensagens codificadas extremamente dificeis de serem descobertas.

Os programas de criptografia tomam seus dados originais (conhecidos no mundo da criptografia como texto puro ou texto claro) e os convertem para um texto codificado ou criptograma. A nova informação parece não ter sentido algum, um amontoado de caracteres confusos. Qualquer um que se depare com tais dados será incapaz de entendê-los se não tiver o mesmo programa e a chave de criptografia, um tipo de senha para codificação.

Os programas de criptografia usam algoritmos matemáticos relativamente simples combinandos com uma chave fornecida pelo usuário. Os algoritmos e as chaves são aplicados aos dados várias vezes para converter os dados para um formato que não pode ser descriptografado sem saber os algoritmos e a chave. Há vários tipos de técnicas de criptografia. As duas forma principais são substituição e criptograma de transposição.

- Criptografia Simétrica - Mesma chave usada na codificação e na decodificação.

- Criptografia Assimétrica - Chaves diferentes.

Substituição Simples

A forma mais simples é o criptograma de substituição. Esses criptogramas substituem os caracteres originais por outros; as posições permanecem iguais, mas os novos caracteres são usados no lugar dos originais. Os novos caracteres podem ser letras, números ou até mesmo símbolos. Os criptogramas de substituição mais simples substituem uma letra por outra várias vezes para frente ou para trás no alfabeto. Outra forma mais complicada seria atribuir uma letra aleatória a cada letra no alfabeto e depois substituir cada carácter na mensagem pela letra atribuída.

Exemplo:

Alfabeto: A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z

Substituição: C H M D B W E G J L V A K O X S R F P U Y Q Z I T N

Palavra original: MICROPROCESSOR

Palavra codificada: KJMFXSFXMBPPXF

Esses são os criptogramas de substituição monoalfabética, em que os caracteres estão sempre substituídos pelos mesmo carácter. As cifras de substituição polialfabética torna a descoberta do código mais difícil variando a substituição de carácter.

Um outro exemplo é o criptograma de cerca de estrada de ferro, criada na Guerra Civil. Letras alternadas do texto puro são reunidas para formar o texto codificado.

Por exemplo:

Palavra original: MICROPROCESSOR

Passo1: M C O R C S O

I R P O E S R

Passo 2: MCORCSOIRPOESR

A criptografia pode ser usada para proteger arquivos no seu disco rígido: qualquer um que tente abrir o arquivo não poderá fazer isso sem a senha. Você também poderia criptografar arquivos antes de transmití-los por modem. O usuário que recebe os arquivos precisaria ter o mesmo programa de criptografia de dados e precisaria saber a senha. Ou, então, você poderia criptografar arquivos que está transportando em disquetes se os discos forem roubados, as informações armazenadas neles, seriam inúteis.

Cifra de César

  1. Adotada por César na época do Império Romano
  2. Simples e relativamente eficiente
  3. Usa tabela alfabética com números correspondentes e chave numérica.
  4. Algoritmo simples

Algoritmo: C = M + T / (Mod.27)

Onde: C = Cifra

M = Mensagem

T = Chave

Mod 27 = Resto da divisão por 27