Turismo em Lumiar - fundamentos geográficos.

05/12/2018

Podemos dar exemplos práticos de como o espaço geográfico influencia a atividade turística.

Poder-se-ia dar dois exemplos não descritos pela bibliografia utilizada em questão.

O exemplo será a localidade de Lumiar/RJ.

Lumiar, distrito do município de Nova Friburgo/RJ, que faz divisa com os municípios de Casimiro de Abreu, Bom Jardim, Cachoeiras de Macacu e Teresópolis. Localiza-se na região serrana, na bacia do Rio Macaé, e possui altitudes entre 700 a 1850 m acima do mar. O espaço geográfico em questão está na conformação e configuração do relevo que denota o distrito serrano em estudo. A região possui uma reserva ambiental que se denomina Macaé de Cima, que conserva a intocada beleza do que resta da Mata Atlântica. Com inúmeros afluentes de rios, árvores centenárias e arbustos diversos, florescem varias tipologias de orquídeas e bromélias, o que denota algo particular e suis generis na sua flora básica. Sua variada fauna constitui-se de macacos, tamanduás, cotias, esquilos e inúmeros pássaros como sabiás e trinca-ferros. Embora, já se encontram espécimes de felinos como jaguatiricas e onças pintadas, a reserva ambiental tem mais de 4.600 espécies animais e vegetais, sendo 19 exclusivas da própria reserva.

O clima regional é determinado pela temperatura média anual é de 17,6°C, sendo entre janeiro e março os meses mais quentes; e entre maio a agosto os meses mais frios. Típico de uma aclimatação de tipologia "tropical de altitude". Além disso, a região de Lumiar faz parte de um complexo geográfico denominado Serra de Macaé de Cima, que compreende os distritos e subdistritos - além de Lumiar - São Pedro da Serra, Rio Bonito de Lumiar, Galdinópolis, Boa Esperança, Benfica, Cascata[1], Santa Luzia e Bocaina (todas em Nova Friburgo), Sana[2] (Macaé) e Cachoeiras de Macaé[3] (Macaé).

O espaço geográfico que determina a atividade turística é o próprio relevo e a topografia do local. Denota-se em "turismo de aventura" como trekking nas trilhas pela reserva ambiental, rafting e canoagem pelas corredeiras do Rio Macaé, cachoerismo, rapel, tiroleza e arvorismo. O patrimônio natural constitui-se pela natureza exuberante da região serrana de Mata Atlântica e seus rios descendentes e de corredeiras. A acessibilidade é feita pela rodovia RJ 142, denominada de Ecoestrada Serramar; as demais estradas vicinais que interligam os demais subdistritos são em sua maioria de terra, poucas são de asfalto. A oferta de serviços gastronômicos e de hotelaria são fatores marcantes e que identificam um tipo de turista que procura uma certa tranqüilidade, boa hospedagem, artesanatos diversos, uma experiência gastronômica rústica de grande monta e atividades de turismo de aventura.

Abaixo, as tipologias de ofertas e produtos turísticos de cada localidade da região Serramar:

Lumiar - Ecoturismo (Rafting, Canoagem, Arvorismo, Tirolezas, Rapel, Trekking) e Artesanatos.

São Pedro da Serra - Gastronomia rústica e Cachoerismo.

Rio Bonito de Lumiar - Trekking e Turismo Rural.

Galdinópolis - Turismo Rural.

Boa Esperança - Trekking e Rapel

Benfica - Turismo Rural

Cascata - Trekking, Turismo Rural e Canoagem.

Santa Luzia - Trekking, Cachoerismo e Turismo Rural.

Bocaina - Turismo Rural.

Sana (Macaé) - Gastronomia diversificada, Cachoerismo, Trekking e Artesanatos.

Cachoeiras de Macaé (Macaé) - Rafting apenas.

Como podemos caracterizar a relação entre turismo e espaço. Exemplifique.

No que concerne a relação entre turismo e espaço, poder-se-ia colocar que as duas tipologias de consumo turísticos já estudadas: destrutiva e produtiva.

Sabe-se o consumo turístico da forma DESTRUTIVA, mesmo com todo seu potencial patrimonial, em recursos, atrativos e ofertas disponíveis, a mesma atividade poderá gerar impactos negativos que podem inviabilizar o próprio turismo local. Exemplifica-se Machu Pichu, na região andina peruana e no caso brasileiro, o arquipélago de Fernando de Noronha, que possui um fluxo turístico altamente controlado, para que a mesma atividade turística não degrade o próprio espaço.

Na forma PRODUTIVA, podemos exemplificar o caso de Lumiar, já descrito na questão anterior, na década de 1970, quando o compositor mineiro Beto Guedes fez a canção entitulada "Lumiar", não se tinha estrada de asfalto e turismo e seus produtos constituídos. Com o asfaltamento da Ecoestrada (RJ 142), o potencial turístico, bem como o número de habitantes na região quadruplicou desde 1990. Surgiram inúmeras pousadas e hotéis, além de aliar o patrimônio natural pelas suas características fisiográficas, sua flora e fauna bastantes características, e o controle governamental quanto a reserva ambiental já descrita. O ecoturismo, a gastronomia (diversificada pelo cultivo da mandioca e da truta), as cervejarias artesanais e o artesanato local fazem parte do produto turístico local.

Citando dois pontos de confluência entre turismo e geografia política e de um exemplo seu de estereótipo.

Há dois pontos de confluências a serem citados: 

1- "a visão dos lugares e dos seus povos" oriundo da visão determinista e eurocêntrica da Geografia Política; 

2- e das fronteiras nacionais, que podem ser maleáveis como as fronteiras dos países do Mercosul e entre os cidadãos da Comunidade Européia (excetuando a Grã-Bretanha) e as duras como a fronteira entre o México e EUA, Israel e Palestina e a fronteira sul-andina como entre Argentina e Chile devido às certas restrições de entradas de produtos (um brasileiro pode levar até 12 garrafas de vinho da Argentina; um chileno não terá a mesma sorte, pois entrada de tais produtos de origem animal e vegetal são proibidos), além de suas características fisiográficas, topográficas e climáticas que impedem tal fluxo (neste inverso de julho de 2015, o Túnel Internacional que divide a fronteira entre Argentina e Chile ficou com o trânsito impedido por conta das avalanches; só se chagava aos dois destinos via transporte aéreo, 4,5 vezes mais caro que o transporte terrestre entre os Andes).

Estereótipo como exemplo: 

Ciganos no Leste Europeu - A ciganidade sempre foi produto de estereótipos que marginalizavam (e marginalizam) e discriminam o modo e a filosofia de vida cigana. Em uma das viagens que fiz entre as capitais húngara e romena pela RailEurope, um dos ramais do Expresso Oriente, ferrovia que liga Viena a Istambul. Fiquei em um dois vagões da classe econômica que estava repleta de ciganos que iriam desembarcar na mesma cidade que era meu destino: Sibiu, uma das cidades romenas da região conhecida como Transsylvania, no meio dos Montes Carpatos, cadeia montanhosa que fica entre a Hungria e Romênia, lar dos ciganos rom e sinti. Meu objetivo, além de turístico, foi de conhecer parte de minhas origens. Por parte paterna, minha família até 1921 moravam em Sibiu, que na época pertencia ao Império Austro-Hungaro, e era chamada de Hermannstadt. Como toda família de ciganos que residia em uma cidade fundada por alemães e austríacos no meio dos Carpatos, levavam como sobrenome o nome da cidade. Levo o nome dessa cidade que não existe mais. 

Sobre os ciganos, como eu, o que é mito: 

(a) Não são marginais;

(b) Não são aproveitadores;

(c) Não são ignorantes; 

(d) Não são machistas, os homens sinti são os cozinheiros, as mulheres que cuidam da educação em geral; 

(e) E a maioria dessa nova geração possui diploma de curso superior. Em Sibiu, encontrei uma família, que tinha nessa mesma geração que a minha seis com diploma de curso superior, sendo 3 com doutorado, todas mulheres; 

(f) A boa culinária cigana (prato comum da minha família e que é atrativo turístico em Sibiu - Servieten Klos).

Na cidade de Sibiu (antiga Hermannstadt), são o segmento social que mais contribui com a atividade turística, desmistificando estereótipos e difundido a filosofia de vida cigana com artesanatos, arte literária, música clássica e regional e a gastronomia rústica.


[1] Divide-se em dois distritos de dois municipios distintos: Casimiro de Abreu/RJ e Nova Friburgo/RJ separados pelo Rio Macaé, porém as atividades turísticas em 85% são realizadas em território friburguense.

[2] Divide-se em dois distritos de dois municipios distintos: Barra do Sana em Casimiro de Abreu/RJ e Arraial do Sana em Macaé/RJ, separados pelo Rio Macaé.

[3] Divide-se em dois distritos de dois municipios distintos: Casimiro de Abreu/RJ e Macaé/RJ; as atividades turísticas são em território macaense em sua maioria.